Ricardo Tosto fala sobre evolução do processo de Recuperação Judicial das Empresas

Em vigor desde o ano de 2005, a Lei nº 11.101/2005, que rege sobre Recuperação Judicial, trouxe inúmeros avanços para o setor empresarial. Porém, de acordo com opiniões de diversos advogados pelo país, que trabalham com processos de recuperação judicial, entre eles o renomado advogado Ricardo Tosto, especialista do assunto, essa lei carece de algumas alterações que poderão torná-la mais prática e com melhores resultados. Essa necessidade de mudança se deve ao fato de que, segundo pesquisa do Instituto Nacional de Recuperação Judicial, apenas cinco por cento das empresas que entram com processo de recuperação judicial conseguem voltar normalmente às suas atividades.

Desde o início da lei no ano de 2005 mais de 6.900 empresas entraram com pedido de recuperação judicial. Já em relação as que entraram com pedido de falência o número fica em 3.859.

Para Ricardo Tosto, as novas alterações na Lei nº11.101/2005 já configuram um grande benefício para o setor empresarial. Atualmente, as organizações que fazem parte de um mesmo grupo empresarial têm o direito de entrarem com um único processo de recuperação judicial, gerando consequentemente um processo com menores custos e com muito mais força e facilidade de resolução.

A inclusão das pequenas e médias empresas na possível qualidade de credoras também é outra vantagem que merece atenção. É importante salientar que no Brasil, cerca de noventa por cento das empresas ativas são representadas pelo médio e pequeno empresário.

De acordo com o advogado Ricardo Tosto, especialista e conselheiro sobre o assunto, apesar da notável evolução durante esses 10 anos da Lei de Recuperação Judicial, ela ainda carece de certas alterações que servirão para dar um amparo maior às empresas no sentido de inseri-las novamente em suas atividades. E para que isso seja feito da forma mais eficiente possível, uma ótima estratégia seria arranjar novas formas de capitalização das empresas em processo de recuperação. Outro ponto bastante importante seria uma maneira de viabilizar a essas empresas o parcelamento de seus débitos fiscais, facilitando e auxiliando ainda mais esse processo de recuperação.

Ricardo Tosto é formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo e possui curso de extensão em Administração de Empresas pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

Tosto é sócio do escritório Leite, Tosto e Barros Advogados entre os dez maiores do Brasil pelo Anuário Análise Advocacia 500.

Ricardo Tosto atua há mais de 15 anos na área de direito empresarial, especialmente recuperação de créditos, contratos bancários, falências, recuperação judicial, “Acquisition Review” e reestruturação empresarial. Atua, ainda, na área do Direito Internacional e Eleitoral de uma forma geral.

Acumula títulos em sua carreira como Presidente da Comissão de Reforma do Judiciário da OAB, secção de SP; Membro do International Bar Association (IBA); Membro do CESA – Conselho Diretor do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados; foi Assessor da Diretoria Jurídica e Recursos Humanos do Grupo Rede (Caiuá Serviços de Eletricidade, Empresa Elétrica Bragantina, Empresa de Eletricidade Vale Paranapanema); Diretor da Fundação Rede de Previdência Privada e Superintendente Administrativo e Jurídico do Grupo Alusa.

 

Calçados para arrasar no inverno 2017

Moda moderna não considera calçado uma roupa simples. Hoje, a multidão de sapatos, botas, sandálias e botas de cano alto são uma forma de auto-expressão, um reflexo psicológico da individualidade feminina. No entanto, tendendo para a perfeição, não devemos esquecer de praticidade, uma vez que mesmo o par original de sapatos não nos trará verdadeira satisfação se ele vai ser desconfortável. Vamos conhecer os projetos de calçados de moda para o outono-inverno 2017, que nos são apresentadas por nossas marcas favoritas em suas novas coleções para o outono e inverno. Como as marcas têm tentado combinar conforto com as tendências da moda atual?

Materiais combinados

Os experimentos têm lugar na indústria da moda há algum tempo e as decisões originais e ousadas são sempre presente em qualquer desfile de moda. Na nova estação fria 2017, as marcas têm mostrado uma enorme variedade de calçados feitos de materiais com diferentes texturas e cores. Agora couro podem ser livremente combinadas com couro, correias e laços, fosco e texturas brilhantes, lisos e irregulares, a individualidade conta! Muito atual é o calçado com contrastantes lado da frente.

Calçado Trends: Camurça

Apesar de não ser muito prático na chuva, sapatos de camurça desfrutar de uma enorme popularidade. É difícil argumentar aqueles que consideram tais sapatos como o mais elegante e graciosa. Devido à abundância de cores e desenhos de moda, os concorrentes estão encontrando cada vez mais difícil de tomar em popularidade.

Correias

Calçado com tiras também goza de uma grande popularidade. E se as tiras foram originalmente usado apenas para fins práticos, então agora é apenas uma decoração adicional do calçado. Por exemplo, no momento em que já não são surpreendidos com calçado que tem apenas uma ou duas alças, mas projeta com dez a vinte correias. Estes realmente olhar original e ousada e definitivamente irá desfrutar fashionistas extravagantes e desinibido. Ao comprar tais desenho que você deve considerar se você estará pronto todos os dias para perder tanto tempo para apertar as correias.

Calcanhar maciça e plataforma

Saltos grossos e cunhas maciças são no momento os principais itens em todas as passarelas. Parece que os designers decidiram que o mais grosso e maior será o melhor. Em particular, Maison Margiela, Marc Jacobs, Balenciaga têm mostrado a sua auto proporcionando saltos incrivelmente altos e grossos. Mas só você decidir se quer ou não são adequados para a temporada de inverno. No entanto, aqueles que gostam de cunha e plataformas, podemos recomendar desenhos das coleções de Fendi, Gucci e várias outras marcas.

Laços e Tranças

Cadarço, como tiras foram projetados para fins práticos. Com sua ajuda, podemos facilmente ajustar a espessura do bootleg, enfraquecendo se os sapatos serão hermeticamente embalados ou espremê-los se for muito grande. Embora hoje em dia, cadarços não perderam habilidades práticas e tem algumas outras características: a partir de agora, eles podem ser chamados um elemento especial de estilo, que enfatizam uma certa brutalidade e pretensão.

Elementos de decoração

Designers não se esqueceu elementos de decoração sapatos. Pedras, cristais, aplicada flores, pérolas, borlas, costura decorativa, rebites e outro selo de metal foram novamente utilizados.

 

 

Novos lançamentos da Netflix já começou

NETFLIX

Essa é uma notícia boa para os apaixonados por filmes, séries e documentários, e para os assinantes do serviço oferecido pela Netflix. A empresa que exibe diversos tipos de filmes, séries e documentários, anunciou que fará diversas estreias este ano. Somente no mês de março a Netflix irá fazer 30 lançamentos, dentre eles estão listados filmes muito aguardados pelo público como o filme “50 Tons de Cinza“.

A Netflix anunciou que os lançamentos iriam começar a partir do dia primeiro do mês de março, ou seja, hoje já é possível visualizar alguns dos lançamentos já feitos pela empresa. O lançamento mais aguardado do filme “50 Tons de Cinza”, acontecerá no dia 12 de março, e um outro lançamento muito esperado, a terceira temporada da série “Grace and Frank”, acontecerá no dia 24 do mês de março. Veja a lista completa dos lançamentos do mês de março:

Gênero infantil: Guardiões da Galáxia – 1ª temporada, Soy Luna – 1ª temporada, e Pokémon XY – 1ª temporada, (para o dia 01/03). Buddy Thunderstruck – 1ª temporada, (para o dia 10/03). Na sala da Julie – 1ª temporada, (para o dia 17/03). E o último do gênero, Bottersnikes & Gumbles – 2ª temporada, (para o dia 24/03).

Séries: Greenleaf – 1ª temporada, (para o dia 03/03). Love – 2ª temporada, (para o dia 10/03). The 100 – 3ª temporada (para o dia 14/03). Marvel – Punho de Ferro – 1ª temporada, e Samurai Gourmet – 1ª temporada, (para o dia 17/03). Horizonte B – 1ª temporada, (para o dia 20/03). Ingobernable – 1ª temporada, e Grace and Frankie – 3ª temporada, (para o dia 24/03). E a última estreia de série, 13 Reasons Why – 1ª temporada, (para o dia 31/03).

Documentários: Para esse gênero terá três estreias, Amy Schumer: The Leather Special, (para o dia 07/03). Felipe Neto – Minha Vida Não Faz Sentido, (para o dia 24/03). E o documentário, Five Came Back, (para o dia 31/03).

Filmes: O Amor do Divã (08/03); Bruning Sands (para o dia 10/03); Boyhood e 50 Tons de Cinza (para o dia 12/03); Glória: Diva Suprema, O último Cine Drive-in, e Se Puder? Dirija! (para o dia15/03); Deidra & Laney Rob a Train (para o dia 17/03); Conexão Escobar (para o dia 18/03); The Most Hated Woman in America (para o dia 24/03); e The Discovery (para o dia 31/03).

Para quem ainda não sabe como funciona a Netflix, ela é um serviço de transmissão online onde o usuário pode assistir diversos filmes, séries e documentários em aparelhos conectados com uma internet. O assinante pode assistir o que tiver disponível com qualidade e sem cortes para os comerciais.

 

A trajetória profissional de Luciana Lóssio

Nascida no Distrito Federal, Luciana Christina Guimarães Lóssio, cursou Direito pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), entre os anos de 1995 e 1999. Em 1999, ela se formou bacharel em Direito e passou logo em seguida na prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional do Distrito Federal.

Desde o início de sua carreira, Luciana Lóssio demonstrou grande interesse pela subárea do Direito que diz respeito ao Comportamento Político, optando por se especializar em Estudos Eleitorais e Partidos Políticos.

Após a graduação, Luciana deu início as suas especializações com um curso de Direito Processual Civil Lato Sensu, entre os anos de 2002 e 2003 pelo Instituto Brasileiro de Direito Processual. Logo em seguida, em 2005, ela fez uma especialização em Direito, Estado e Constituição Lato Sensu pela União Educacional do Planalto Central.

Entre 2007 e 2008, cursou uma especialização em Ordem Jurídica e Ministério Público Lato Sensu pela Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal. Meses depois, em 2009, iniciou outra especialização, dessa vez em Lato Sensu em Direito Eleitoral, pela Universidade Anhanguera.

Já no que diz respeito ao começo de sua trajetória profissional, logo após se tornar bacharel em Direito pela UniCEUB, Luciana trabalhou por sete anos como Assessora Jurídica da Procuradoria Geral da República, até o ano de 2006. Posteriormente, ela advogou em diversos casos de destaque na política brasileira, fazendo inclusive várias sustentações orais no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em razão de sua grande experiência com o tema, Luciana Lóssio foi indicada no final de 2011 para atuar como Ministra Substituta do Tribunal Superior Eleitoral. Nesse mesmo momento, também foi escolhida pelos advogados que atuam como militantes na Justiça Eleitoral para realizar o discurso de saudação ao TSE.

Em sua atuação como Ministra Substituta até o ano de 2013, Luciana Lóssio foi a primeira mulher a ter ocupado uma das vagas destinadas à advocacia do Tribunal Superior Eleitoral. Devido a sua dedicação ao cargo, em 6 de fevereiro de 2013, Luciana foi nomeada como Ministra Titular do TSE, ocupando a vaga que pertencia anteriormente ao Ministro Arnaldo Versiani, que havia acabado de deixar a função após cumprir o seu segundo mandato na Corte.

Em conjunto a sua atuação como ministra do Tribunal Superior Eleitoral, Luciana Lóssio também faz parte do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral (Ibrade) e ainda é uma das conselheiras do Conselho Nacional dos Direitos Humanos, desde o ano de 2014.

Luciana Lóssio ainda é reconhecida no mundo acadêmico por duas produções bibliográficas elaboradas por ela. A primeira se chama “Infidelidade Partidária para cargos majoritários – Análise de um caso concreto”, a qual foi publicada em 2009 pela Revista Brasileira de Direito Eleitoral. E, mais recentemente, em 2013, Luciana escreveu um artigo presente no livro Direito Eleitoral em Debate, nomeado como “Proclamação dos resultados e diplomação”.

Desse modo, ela é considerada atualmente como um dos principais nomes da subárea do Direito Eleitoral, tanto pela sua experiência prática adquirida através dos anos como Ministra Substituta e Ministra Titular do Tribunal Superior Eleitoral, como também pela sua contribuição teórica através de artigos e materiais acadêmicos.

 

 

Nasa sugere a implantação de campo magnético para tornar Marte habitável

marte-19

O planeta vermelho que passou por diversas transformações ao longo dos milênios, pode ter sua natureza reabilitada através de um plano da Nasa. É difícil imaginar, mas Marte já teve uma atmosfera com ar, umidade e calor suficientes para a manutenção da vida. Sua história trágica que já passa de milhões de anos pode ter uma reviravolta com a implantação de um campo magnético entre o planeta Marte e o Sol.

Essa ideia mirabolante na verdade tem a finalidade de combater os ventos solares que ocasionaram a destruição da vida no planeta vermelho. Os ventos solares sempre foram extremamente nocivos a Marte, no entanto, quando o Sol era bem mais jovem, seus ventos solares foram capazes de tornar o planeta totalmente desértico como conhecemos hoje. Antes do deserto que Marte passou a ser, o planeta era composto por uma atmosfera densa muito rica em gases. Dessa forma, os calores associados aos gases formavam o fenômeno de efeito estufa, que contribuía para tornar o planeta aquecido e manter a água em seu estado líquido.

Essas condições naturais do planeta eram mantidas protegidas da forte radiação solar e de partículas extremamente inóspitas do Sol, através de um campo magnético muito semelhante ao que existe em volta da Terra. O planeta começou a se transformar há 4 bilhões de anos, após o colapso que destruí o campo magnético protetor. Nesse período, Marte ainda era bem jovem, porém depois de meio bilhão de anos, os ventos solares já haviam destruído a maior parte do planeta.

O colapso do campo magnético teve um efeito sobre Marte como furar um pneu. A atmosfera de Marte começou a vazar, indo para o espaço todo o ar e a pressão atmosférica do planeta. A baixa pressão em Marte, fez com que a água evaporasse a 10°C, impedindo a existência de água em estado líquido no planeta, ou seja, Marte tornou-se completamente inabitável.

Os cientistas sempre ficaram deslumbrados com o potencial de vida que poderia ter em Marte, por isso eles tiveram a ideia de instalar um campo magnético que fosse capaz de proteger o planeta novamente. A ideia é formar um escudo protetor contra os destruidores ventos solares, tornando possível a colonização no planeta vermelho.

Essa não foi a primeira ideia que os cientistas da Nasa tiveram, segundo eles mesmos informaram, a ideia de instalar um campo magnético surgiu a partir de muitas simulações criadas para inventarem uma solução que tornasse Marte habitável novamente. Mesmo a ideia sendo boa, os cientistas continuam investigando outras alternativas para a solução do problema. O campo magnético que seria colocado entre Marte e o Sol, ainda não teve seu valos estimado para realizar o feito, porém é possível julgar que não seria nada barato.

 

Veja também, Marte pode ter anéis como Saturno em 70 milhões de anos.

 

Belo Horizonte lança marchinha contra trabalho infantil

Se você pensa que carnaval não é coisa séria é porque não viu a ideia que a prefeitura de Belo Horizonte teve para combater práticas de trabalho infantil e de violência sexual contra crianças e adolescentes. O carnaval finalmente terá uma utilidade pública em Belo Horizonte, com um bloco preparado para levar informação e palavra de ordem para os malfeitores.

Segundo a prefeitura, o bloco irá contar com o auxilio de policiais e durante toda a folia eles estarão distribuindo informação através de folhetos. Ao todo serão 60 fiscais para garantir a folia e a segurança de todos os cidadãos.

O bloco ainda conta com uma marchinha composta por Eros Siqueira e Bruno Malagut, que cederam voluntariamente em prol da luta. A marchinha se chama, Aqui Não, BH É da Proteção, e será executada livremente no bloco ao longo do desfile.

O Fórum de Erradicação e Combate ao Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente de Minas – Fectipa-MG, juntamente com o Ministério do Trabalho, foram responsáveis pela criação do bloco que pretende auxiliar no combate a essas práticas criminosas que tendem a aumentar ainda mais quando chega as festividades do carnaval.

Evira Cosendey, que é servidora da SRTE/MG – Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais, disse em entrevista: “Muitas crianças e adolescentes veem esses grandes eventos como oportunidades para ganhar dinheiro de maneira informal, seja por meio da venda de mercadorias ou até sendo vítimas da exploração sexual. Por isso, é fundamental o trabalho de conscientização nessas ocasiões”. Segundo ela, as práticas de trabalho com mão de obra infantil, bem como a exploração sexual, são intensificadas no carnaval, sendo assim não há lugar melhor para fazer a conscientização de que essas práticas são erradas.

Um levantamento feito no ano passado pela Pnad – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, mostra que a prática de trabalho infantil cresceu 4,5% no Brasil, somente entre os anos de 2013 e 2014, alcançando 3,331 milhões de vítimas, dentre elas crianças e adolescentes com idade entre 5 e 17 anos. Os dados são alarmantes e apontam para um problema que deveria ser considerado caso de saúde pública, visto que todas as vítimas sofrem fisicamente e mentalmente com os abusos.

Embora a ideia da prefeitura seja muito boa, ainda assim só mostra o quão grave é esse problema no nosso país, e principalmente que o carnaval leva mais um ponto negativo, dentre a muitos que o cerca. Isso porque vem turistas de todo o mundo para o país, o que é bom por um lado já que movimenta a economia, mas péssimo por outro porque muitos deles vem mal intencionados já sabendo que o Brasil é um país com pouca fiscalização, sendo muito mais fácil se aproveitar das crianças e dos adolescentes.

 

 

Claudio Loureiro e Heads na luta contra a desigualdade entre gêneros

Em 2010, a ONU Mulheres, uma organização diretamente ligada à Organização das Nações Unidas (ONU) foi criada e tem recebido muitas críticas positivas de comunidades internacionais. O surgimento desta organização teve uma enorme importância tendo em conta a história da emancipação das mulheres. A organização é uma das responsáveis pela criação de projetos e temas úteis e importantes para esclarecimento de questões relativas na sociedade, como a desigualdade entre gêneros, violência ou discriminação. A ONU Mulheres tem uma atitude centrada na oferta de novas concepções, realizadas através do diálogo entre pessoas e estão sob o escopo e os princípios dos direitos humanos e da integridade do ser humano.

A organização tem como objetivo a participação das mulheres em elevados cargos executivos, estabelecendo-se procedimentos que têm a finalidade de assegurar a segurança e a tranquilidade profissional; planificação da elaboração de políticas que combatam a desigualdade entre gêneros e o foco na potencialização do poder das mulheres na sociedade. Em suma, a ONU Mulher tem um papel fundamental para a defesa do gênero feminino e dos seus direitos fundamentais nas sociedades.

É precisamente através dessa perspectiva que a Heads Propaganda de Claudio Loureiro elaborou a sua campanha publicitária. O principal objetivo da campanha traduzia-se no reajustamento dos padrões da sociedade conformes às ideias que a organização pretende implementar, e foi por essa forma que surge esta parceria. Por isso, a Heads de Claudio Loureiro idealizou um slogan generalista que resumisse o modo de pensar.

Claudio Loureiro da Heads preside uma empresa que tem cerca de 27 anos de experiência em satisfazer as necessidades dos clientes no ramo publicitário e é considerada uma das maiores e melhores agências do Brasil. A empresa é a primeira agência da América latina que colabora na luta contra as desigualdades nas sociedades.

A campanha publicitária realizou um estudo relativamente ao papel da mulher no ramo publicitário e a percentagem de mulheres que trabalham no ramo. O estudo foi divulgado no Museu do Amanhã, dia 28 de Outubro, na cidade carioca e pretendia consciencializar a sociedade para a causa das desigualdade de gêneros. A Heads, de Claudio Loureiro, divulgou o evento tendo o apoio de marcas como “o Boticário” ou o “twitter”. O evento contou com a presença de várias celebridades e especialistas nas desigualdades de gênero para abordar o tema em questão. O tema foi esmiuçado pelos especialistas e foi com o propósito de encontrar soluções e alternativas que surgiu a criação do evento.

Para o efeito foi criado o seminário que abordou todos os temas polêmicos da atualidade sobre mulheres na sociedade brasileira e teve o objetivo de analisar a atuação das marcas internacionais e corporações de mídia. Segundo a diretora de Planejamento da Heads de Claudio Loureiro, o seminário trouxe a possibilidade de discussão sobre estes temas.

O seminário foi dividido em dois segmentos: o primeiro segmento teve o propósito de partilhar ideias acerca da transformação social de uma forma positiva. O segundo segmento consistiu na apresentação de um documentário que incidiu na apresentação de resultados de um estudo realizado em mais de 40 mil homens brasileiros.

Com 64 anos, espanhola da à luz a gêmeos

Mesmo com 64 anos, uma mulher conseguiu dar à luz a dois bebês após realizar a fertilização in vitro. A mulher, cuja identidade não foi revelada, passou pelo procedimento de fertilização nos Estados Unidos e deu à luz aos gêmeos na cidade de Burgos, que fica ao norte da Espanha. A notícia está causando grande repercussão entre a população local e os internautas que querem saber mais detalhes do que aconteceu.

Segundo algumas fontes próximas a família, a mulher já havia concebido uma menina, que foi fruto do mesmo método utilizado para a gravidez dos gêmeos, mas que no entanto, a menina teria sido retirada da mãe por ter sido encontrada em situações de desamparo. Algumas fontes do hospital ainda alegaram que o parto dos gêmeos ocorreu através de uma cesariana no mesmo hospital onde a mulher teria dado à luz a sua filha mais velha.

A guarda da criança foi tirada da mãe por volta de 2012 pelo Serviço Social local. Eles alegaram que a menina vivia sob condições precárias onde era mantida isolada do mundo, sem ter uma boa higiene pessoal, vestida com roupas inadequadas para ela e sem nenhuma justificativa para estar ausente das aulas escolares. Sendo assim, a criança a seus familiares maternos para ser melhor cuidada.

No entanto, a grande polêmica gira em torno da idade avançada a qual a mulher conseguiu dar à luz. A escolha de ter mais um filho em uma idade avançada é bastante comum, porém muito mais difícil. Isso porque a maioria das mulheres entram na menopausa a partir dos 45 anos, o que sugere a impossibilidade de gerar uma criança. Casos de mulheres que conceberam um bebê com idade mais avançada estão ficando mais frequentes, e na maioria dos casos, só é possível com a ajuda da tecnologia de fertilização in vitro.

Ter um bebê depois dos 45 anos é bastante trabalhoso, pois o sistema reprodutor da mulher está mais refreado e pede para que o corpo desacelere, o que dificulta muito a concepção de um embrião. Mesmo com a ajuda da fertilização in vitro, ainda é bastante difícil, isso porque essa não e a única dificuldade que a mãe enfrenta. A mulher que se dispõe a ter um bebê depois dos 45 anos deve ter em mente que seu sistema reprodutor já não é mais o mesmo, por essa razão ela enfrentará grandes obstáculos, como, por exemplo, o aborto e o nascimento prematuro que é mais frequente nessas gestações.

Em relação a mulher e aos gêmeos, os enfermeiros do hospital afirmaram que ocorreu tudo bem no parto, e também no pós-parto. Os bebês, que são uma menina e um menino, encontram-se perfeitamente saudáveis e junto da mãe que também está muito bem após o parto.

 

Bruno Fagali explica o que tem de melhorar nas leis que regulam a remuneração das agências publicitárias

Durante os últimos anos, as investigações sobre crimes que envolvam corrupção no ramo publicitário têm aumentado. Assim, torna-se evidente as falhas legislativas na relação entre empresas que cooperam no ramo da publicidade. As práticas de negociação de contratos se tornaram algo usuais na época e que ainda perduram no sistema publicitário. O limite sobre o que é eticamente aceite no mercado publicitário está condicionado pelas normas que regulam a atuação dos anunciantes, comunicação e o mecanismo de liquidação das empresas ligadas ao ramo publicitário.

Tendo em conta este problema, o advogado Bruno Fagali enunciou cinco riscos sobre o problema em questão:

1) Mediação da remuneração de veículos

Segundo o que menciona o Conselho Executivo das Normas-Padrão, as empresas publicitárias podem pedir a sua remuneração aos anunciantes e comunicar aos veículos de comunicação qual o montante pedido pelo serviço em questão. Esta medida vai ao encontro de uma das ilegalidades praticadas, uma vez que alguns meios publicitários não comunicam os valores exigidos aos respetivos anunciantes. Outro problema envolvido nesta questão é a subida do desconto das agências pelas empresas de comunicação com o objetivo de garantir as agências e, dessa forma, condicionar as empresas concorrentes.

2) Requisitos de subscrição de mídia

Este é outra forma das situações apontadas por Bruno Fagali que pode originar situações que vão contra os trâmites normais dos agenciamentos. A possibilidade das agências publicitarias poderem aconselhar os anunciantes sobre quais os meios que devem escolher para determinada iniciativa revela-se um fator condicionante. De fato, as empresas publicitárias têm o dever de apresentar um “plano de mídia”, porém esses critérios são muito abstratos podendo originar diversas formas de desviar ou condicionar os procedimentos.

3) Planificação de incentivos

Normalmente, os meios de comunicação contribuem com um determinado montante que é pago em diversas tranches às empresas publicitárias. Bruno Fagali, da FAGALI advocacia, recorda que este pagamento se chama “Bônus de volume” e trata-se de um prêmio atribuído às empresas publicitárias de acordo com as vendas realizadas pelas empresas a partir da ajuda daquela publicidade. Aqui é possível verificar que esta atuação vai contra os princípios e as normas da livre concorrência e condiciona o normal desenvolvimento de agências menores que têm mais dificuldades de sobreviver num ramo muito competitivo.

4) Interação com as equipas dos anunciantes

Estes tipos de interações podem criar laços pessoais bastante fortes entre as partes, o que pode originar uma maior disponibilidade para criação de interesses comuns que podem levar a influência de decisões. Bruno Fagali apresenta como exemplo os presentes, viagens, etc

5) Pagamento de serviços e outros

Para além dos pagamentos da prestação de serviços do anunciante à empresa publicitária, estas podem ainda receber pagamentos por serviços e outras formas induzidas que serão precisas para a resolução da tarefa. Na verdade, existem muitos anunciantes que não concordam com o pagamento do serviço com base em honorários. Bruno Fagali explica que como têm dificuldades em garantir os recursos, as agências acordam com fornecedores o faturamento de serviços com a dedução de uma parcela.

 

Dólar tem queda mais expressiva em 2 anos

dolar

A moeda americana continua caindo este mês de fevereiro e fechou o dia a R$ 3,05, menor valor em 2 anos de acordo com notícia. Este é o segundo dia consecutivo só esta semana que o dólar apresenta queda, a última vez que a moeda americana ficou em um valor menor que R$ 3,10 foi em 2015.

Este é de acordo com analistas a menor cotação da moeda desde 21 de maio de 2015 quando a moeda americana fechou o dia em R$ 3,043.

Os investidores pareciam animados com a possibilidade do Banco Central Norte Americano não subir os juros nos Estados Unidos. Um aumento nos juros poderia atrair investidores que atualmente estariam interessados em investir no Brasil.

Aqui no Brasil já foi confirmado pelo próprio Banco Central de que os juros da taxa básica sofreram uma redução de aproximadamente 0,75 pontos percentual.

A redução no dólar comercial só significa uma coisa de acordo com os especialistas. Os brasileiros voltaram a efetuar compras internacionais, principalmente nos Estados Unidos. Antes do inicio da crise em 2008 o dólar também estava em uma de suas menores cotações a anos, e este foi o período perfeito para que brasileiros começassem a gastar mais internacionalmente.

Os brasileiros aumentaram suas viagens internacionais e o principal motivo foi a redução da cotação do dólar. Agora apesar da dificuldade na retirada do passaporte e de alguns países estarem fechando suas portas para a imigração, isso não significa que o chamado turismo comercial não seja bem vindo.

O aumento dos gastos no exterior também significa um aumento nos gastos internos. O Brasil ganha em taxas toda vez que um brasileiro compra a moeda americana, além disso, os produtos adquiridos por brasileiros podem sofrer taxação ao chegar à Alfandega.

As previsões dos economistas indicam que o dólar deve continuar a cair durante o resto do semestre. É provável que a moeda só sofra aumento no final do ano. Este é um ótimo período para quem pretende comprar dólares, e também é um ótimo momento para realizar o sonho de uma viagem internacional.

De acordo com os especialistas a moeda deve ficar na casa dos R$ 3,10 ou abaixo ainda por um bom período, mas não existem previsões exatas sobre o quanto a moeda deve reduzir. Tudo isso depende da politica norte americana, interna e externa.