Três em cada cinco pessoas viram fumantes diários após experimentar cigarro

Experimentar um cigarro pode ser um caminho sem volta, de acordo com um estudo realizado pela Universidade Queen Mary em Londres. O estudo mostra que uma a cada cinco pessoas que provaram o cigarro se tornou fumantes diários mesmo que temporariamente.

A pesquisa contou com a colaboração de 215 mil pessoas que coletou informações de diferentes levantamentos em relação ao consumo, publicado no jornal periódico Nicotine & Tabacco Research.

Para os pesquisadores a descoberta mostra como a substância pode ser viciante e serve como incentivo na prevenção do consumo dos cigarros entre os jovens.

O professor Peter Hajek, um dos líderes do estudo afirmou que essa é a primeira vez que é documentada a capacidade de viciar dos cigarros após uma unica experiencia. Ele também destaca que sair da provação para a prática é importante, que mostra que a atividade que antes era praticada por laser agora se torna uma necessidade compulsiva. Hajek ressalta que a taxa de conversão entre quem fuma a primeira vez e quem fuma diariamente é alta, o que colabora na prevenção do experimento da substância.

Para os cientistas poderem realizar uma análise do assunto eles utilizaram os levantamentos e estatísticas do Global Health Data Exchange, onde se encontra pesquisas relacionadas à saúde em nível mundial e estudos que envolvem questões sobre o experimento de cigarro e o tabagismo.

Foi possível obter dados do Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos de oito levantamentos realizados. Os pesquisadores analisaram os dados para conseguir calcular a taxa de conversão na primeira vez que a substância foi usada e o consumo diário da substância. Os resultados indicaram que 60% dos que participaram já experimentaram o cigarro e 68% são fumantes diários.

Os autores do estudo destacaram que a pesquisa utilizou uma metodologia diferente, e existem chances dos dados da estimativa estar com margens de erro que deixaria a taxa de conversão de 60,9% para 76,9%.

Apesar dos dados apresentados serem limitados, eles continua sendo alarmantes e devem ter a atenção das autoridades para o início ao tabagismo, destaca Hajek.

No Brasil mais de 200 mil pessoas morrem todos os anos vítimas do tabagismo, além das doenças causadas pelo ato de fumar.

 

Escritório de Ricardo Tosto promove evento para discutir a Arbitragem

No mês de agosto, o escritório Leite, Tosto e Barros, de Ricardo Tosto, organizou o evento chamado “Tendências atuais da arbitragem nacional e internacional”, em conjunto com o Allen & Overy e a Wald Advogados.

Entre os presentes no evento, estavam o advogado Arnoldo Wald e Anderson Pomini, que é o secretário de Justiça de São Paulo. Em seus discursos, ambos falaram um pouco mais sobre como o uso da arbitragem para solucionar litígios que envolvem a Administração Pública é uma forma de tirar um pouco da burocracia da máquina pública, funcionando ainda para agilizar os processos e impulsionar a economia do país, que enfrenta uma crise nos últimos anos.

Em sua fala durante o evento organizado pelo escritório de Ricardo Tosto, Arnoldo Wald deu destaque para a modificação feita em 2015 na Lei de Arbitragem (Lei 9.307/1996), a qual permitiu oficialmente que os litígios que envolvem a Administração Pública sejam resolvidos através da via arbitral. Segundo ele, o Estado não terá que renunciar a nenhum direito ao optar por esse método, e sim optar pela maneira de resolução que seja mais indicada para um determinado caso concreto.

Com essa medida, um dos setores mais favorecidos é da infraestrutura, pois como as concessões possuem prazos muito extensos nos dias de hoje, de trinta anos ou mais, é muito mais eficiente e rápido resolver possíveis disputas através da arbitragem do que esperar por anos na Justiça convencional.

Ainda durante o painel “Tendências atuais da arbitragem nacional e internacional”, do escritório do advogado Ricardo Tosto, foi enfatizado pelos presentes que a arbitragem é uma forma essencial de ajudar o Brasil a superar de vez a crise econômica, tendo em vista a importância de se restabelecer a confiança nas decisões judiciais e administrativas.

Anderson Pomini, em seu discurso, defendeu a opinião de que é preciso enxugar o Estado para que este possa se tornar mais eficiente. Desse modo, ele ressaltou que a solução de conflitos da Administração Pública através da arbitragem é parte essencial nesse processo. Contudo, é necessário que o meio jurídico da prefeitura de São Paulo tome a iniciativa de seguir por esse caminho para que ele possa gerar resultados positivos.

Segundo ele, os procuradores do município de São Paulo ainda são bastante conservadores e cautelosos em relação as punições dos órgãos de controle. Ao invés disso, ele acredita que os procuradores deveriam auxiliar a Administração Pública através de ideias que contribuam para a redução da judicialização, ou seja, que acelerem a solução de conflitos.

Para isso, ele destacou durante o evento organizado pela Leite, Tosto e Barros, de Ricardo Tosto, que é necessário que a advocacia privada continue pressionando a advocacia pública, com o intuito de inibir o medo dos órgãos de controle e afastar de vez a burocracia que ainda permanece dominante em todo o país.

O escritório Leite, Tosto e Barros, de Ricardo Tosto, conta com sedes nas cidades de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, tendo mais de 300 colaboradores nos dias de hoje.

 

Saúde e desenvolvimento das crianças podem ser afetados por estresse tóxico

No caso das crianças é preciso certo cuidado ao adotar soluções para aprender a lidar com as dificuldades da vida. Uma resposta fisiológica a uma situação adversa é o estresse, que é quando produzimos alterações químicas no nosso corpo que prejudicam o sistema imunológico, neurológico e endócrino.

Existem três tipos de respostas ao estresse, segundo indícios do Centro de Desenvolvimento da Criança da Universidade de Harvard nos Estados Unidos. Elas dependem do efeito dessa reação sobre o corpo, sendo elas positiva, tolerável e tóxica. Enquanto a positiva e a tolerável faz parte do desenvolvimento da criança, a tóxica é prejudicial à saúde delas.

Essa resposta tóxica de estresse ocorre quando a criança vivencia uma dificuldade forte, frequentes e prolongadas sem o apoio de um adulto como, por exemplo, a negligência, abuso físico e emocional, violência, drogas, elevada carga de pobreza e problemas mentais.

Um exemplo de uma mãe com depressão profunda, ela é incapaz de cuidar de seu bebê, ou pais alcoólatras e usuários de drogas, que não se dedicam aos filhos podem deixar a criança em um estado de estresse permanente, considerado pelos estudiosos como tóxico. Essas situações de estresse podem repercutir ao longo da vida dessas pessoas.

O corpo fica em alerta diante do estresse e produz adrenalina, aumento dos batimentos cardíacos e libera mais hormônios, como o cortisol. Isso acontece devido ao estado de alerta que corpo fica. No caso das crianças essa situação diminui com o consolo de um adulto, o que se não ocorrer manterá a resposta constantemente ativa, mesmo sem nenhum perigo aparente.

Esse tipo prolongamento de resposta do organismo ai estresse é tóxica devido à saturação do cérebro da criança o que atrapalha o seu desenvolvimento, em destaque os períodos mais sensíveis do seu crescimento.

Esse estresse tóxico tem como resultado a desregulagem do sistema imunológico, que aumenta o risco de infecções frequentes nas crianças, destaca o médico pediatra do Centro de Medicina Integrada da Universidade do Arizona, Hillary Franke.

Especialistas acreditam que o estresse tóxico atua no desenvolvimento de transtornos depressivos, comportamentais e de estresse pós-traumático incluindo psicoses.

Estabelecer um apoio as relações entre os adultos responsáveis pelo bem-estar da criança é prevenir e reverter danos causados pelo estresse tóxico, segundo as pesquisas realizadas até agora.

 

Experiência profissional e erros impulsionam o empreendedor Fernando Mol

Nem sempre o mundo dos negócios têm um caminho fácil, muitas vezes é necessário persistência para alcançar o objetivo desejado. Os erros são uma das melhores formas de progredir, no entanto podem custar caro, mas a experiência adquirida ao longo da carreira torna o empreendedor mais hábil para tomar suas decisões e acertar o alvo.

Henrique Mol, é um desses empreendedores que aprenderam na prática. Com apenas 17 anos, ele já havia aberto o seu próprio negócio, no entanto, a empresa não rendeu frutos, mas com essa experiência Mol adquiriu mais maturidade para recomeçar em outros empreendimentos.

A primeira empresa de Mol foi uma agência de publicidade que produzia revistas e jornais na capital mineira, Belo Horizonte. No entanto, os resultados não foram tão satisfatórios então o jovem empreendedor decidiu fechar a empresa. Na época, o jovem empresário não conseguia gerar o lucro necessário e também não possuía conhecimento suficiente para continuar com o negócio diante de uma concorrência alta. Outro fator que influenciou no fim da agência foi o acidente de carro que Mol sofreu, o que o deixou afastado do trabalho.

Apesar de não ter obtido bons resultados com a primeira empresa, o jovem não desistiu de ser um empreendedor. Enquanto adquiria mais experiência no mercado de trabalho para iniciar uma nova atividade empreendedora, Mol trabalhou na empresa de informática de seu pai.

A experiência de trabalhar na empresa de seu pai permitiu que ele adquirisse conhecimento na administração financeira do negócio, focado na venda de softwares. Com essa bagagem profissional Mol conseguiu uma vaga em outra empresa do ramo como diretor comercial. No seu novo trabalho o desafio era conquistar mais clientes, para isso fazia viagens por todo o país. Quando o profissional saiu da empresa havia conseguido 140 clientes.

No ano de 2011, Mol percebeu que havia espaço no mercado para a criação de uma franquia de viagens e decidiu criar a Encontre Sua Viagem. A franqueadora atua na área de turismo proporcionando pacotes de viagem, passagens aéreas e serviços como cruzeiros e locação. No ano de 2017 o faturamento da empresa foi de R$ 70 milhões.

 

Funcionários devem ter atenção dobrada ao receber presentes – Bruno Fagali noticia

Durante o período que antecede as festividades de final de ano, é comum que os funcionários de empresas recebam presentes de parceiros comerciais. Contudo, tal situação pode ser entendida como indevida, a depender do valor ou natureza do agrado, reporta o advogado Bruno Fagali.

Seguir todas as normas de compliance de uma organização à risca, pode não ser tarefa das mais fáceis – tanto para gestores como para colaboradores de grau hierárquico menos elevado. Este tema é o principal objeto de pesquisa de Antônio Carlos Hencsey, diretor de Ética & Compliance da consultoria Protiviti, que atua especialmente nas áreas de governança, finanças, auditoria, risco, tecnologia e operações, noticia o sócio-fundador da FAGALI Advocacia.

De acordo com Hencsey, a principal finalidade da troca de presentes é consolidar as relações entre aliados comerciais, porém, quando o agrado se torna algo mais sofisticado como jantares em restaurantes caros ou entradas para espetáculos artísticos ou musicais, pode ser criado, no ambiente de trabalho, a sensação de interferências externas inadequadas.

Ainda conforme alerta o especialista, todo cuidado é pouco ao receber lembranças de fornecedores ou associados de outras empresas: “Presentes recebidos de parceiros comerciais apresentam grandes possibilidades de serem encarados como propinas pelos demais colaboradores da empresa; concomitantemente, podem ir de encontro às normas previstas no código de ética da companhia, além de denigrir a reputação da empresa no mercado”, reporta Bruno Fagali.

Entretanto, para Antônio Carlos Hencsey, lembrancinhas promocionais e de valor reduzido como pen drives, canetas, calendários, blocos de anotação, bonés ou qualquer outro item customizado com a marca de uma empresa, não podem ser caracterizados como gratificação inadequada. Nesta categoria, ressalta o expert em compliance, estão enquadrados regalos com valor superior a R$ 150, pois, segundo ele, “têm o poder de influenciar a assertividade das escolhas comerciais do presenteado no momento da tomada de decisões“.

Fagali também noticia outro ponto de extrema relevância a ser analisado, segundo o líder da Protiviti: as empresas devem garantir que seus colaboradores mantenham-se fiéis às normas de compliance, todavia, não é interessante mostrar-se descortês perante o recebimento do presente. Para que tais situações não ocorram, o especialista argumenta que as organizações devem esclarecer a todos os seus funcionários quais as normas e políticas para o recebimento de presentes. “A empresa deve fixar um valor máximo para os presentes que podem ser recebidos. Mimos que ultrapassam o valor de R$ 100 já não podem ser considerados itens de valor reduzido”, sugere Hencsey.

Também é bastante interessante que a empresa promova uma reflexão acerca dos reais motivos (ou interesses) da entrega de presentes por parte de parceiros e fornecedores. Para o diretor de Ética & Compliance, o ideal é identificar se as lembranças são uma forma de agradecimento ou se existem interesses comerciais por trás, cita o advogado.

Para finalizar, Antônio Carlos Hencsey ainda esclarece que o exemplo deve vir dos ocupantes de postos mais elevados: “Mesmo os ocupantes de cargos superiores, ao receber presentes, devem cumprir os procedimentos fixados pela empresa e deixar clara a relevância que este ato tem para a organização”, reporta Bruno Fagali.

Projeto de Will Smith vai ganhar uma continuação

Will Smith, grande ator hollywoodiano que mesmo depois de 30 anos de carreira, ainda consegue levar uma multidão de pessoas para assistir aos seus projetos, é um dos mais importantes nomes a já realizar uma parceria com a plataforma americana de streaming Netflix.

O longa lançado no final do ano passado, “Bright”, apesar de ter recebido criticas negativas antes mesmo de ser lançado, o projeto foi um grande sucesso de audiência, tendo sido um dos longas originais da plataforma mais acessados dos últimos tempos.

A maioria dos críticos da 7º arte não conseguia entender como seria possível conseguir misturar com sucesso os temas, mitologia medieval europeia com perseguição policial moderna. As discussões não parecem ter conseguido alcançar os fãs de Will que acessaram a plataforma e assistiram ao novo projeto dirigido por David Ayer (mesmo diretor do fracassado Suicid Suad). Cerca de 11 milhões de usuários da plataforma assistiram ao filme!

Logo no inicio de 2018, a Netflix confirmou em suas redes sociais que Bright ganharia uma sequência devido ao sucesso do projeto. Na mesma postagem, a plataforma ainda divulgou algumas fotos que comprovam estar sendo realizado um teste de elenco para os novos Orcs da continuação.

Ayer vai continuar responsável pelo roteiro e pode até mesmo chegar a dirigir novos projetos na plataforma. Em entrevista o diretor afirmou que gosta muito da parceria com o ator Will Smith e que se considera sortudo de conseguir trabalhar com um nome de tanto peso em Hollywood.

A plataforma também confirmou que Will Smith e Joel Edgerton, (ator que interpreta o Orc e policial parceiro de Will) vão voltar ao projeto em parceria com novos atores convidados que ainda não foram revelados.

O projeto ainda não recebeu data de lançamento e ainda não possui um período para gravação. O que se sabe é que a sequencia esta entre os 5 maiores projetos da Netflix para 2018.

 

Pagamento por aproximação é lançado no Android

O Brasil é o primeiro país da América do Sul a receber a tecnologia do sistema de pagamento através de aproximação. Na Play Store, loja de vendas dos aplicativos da empresa, é possível baixar o aplicativo nos aparelhos celulares.

O usuário do aplicativo poderá realizar de forma mais rápida uma compra sem necessariamente ter o seu cartão fisicamente. A função desse recurso é promover uma venda digitalmente, para isso o usuário previamente precisa enviar os dados dos seus cartões de débito ou crédito e assim comprar apenas aproximando o celular da maquininha.

Quem é cliente do Banco do Brasil (crédito e débito), da Caixa (débito), do banco digital Neon (débito) e tem os cartões do Brasil Pré-Pagos (débito) e Porto Seguro (crédito) poderá utilizar o recurso. Por enquanto, apenas a bandeira Visa é aceita, mas futuramente o sistema irá se adaptar para a bandeira do MasterCard.

Para realizar uma transação, o celular e a maquininha devem ter NFC (Near Field Communication), através desse recurso tecnológico é possível ter uma comunicação sem fio e uma troca de informações entre os dispositivos usados para o pagamento. O sistema operacional do celular deverá estar atualizado para a versão 4.4 do Android.

No momento da utilização do cartão é gerado um número virtual criptografado e diferente do original do cartão físico. Se houver uma perda do celular, o usuário terá a possibilidade de bloquear a sua carteira de forma remota.

Os benefícios do uso desse recurso será a agilidade no momento da compra e a redução das filas. Quando uma compra for mais de R$ 49 reais será necessário o uso da senha. Em geral, as compras com esse tipo de recurso estão mais voltadas para pequenos valores em situações mais casuais.

Quem tem o Samsung Pay já conhece essa funcionalidade que está em uso no Brasil desde 2016 que também tem a função no Apple Pay. De acordo com a Kantar Worldpanel, em setembro as vendas de aparelhos com Android alcançou 92,6% das vendas de smartphones no Brasil, enquanto os dispositivos com iOS da Apple, apenas 4,7%, uma pequena parte do mercado.

 

Felipe Montoro Jens noticia sobre a concessão da ferrovia EF-70

No final do mês de outubro, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou o resultado dos estudos desenvolvidos para o leilão de construção da Ferrovia do Grão, comumente chamada de Ferrogão ou EF-170, reporta Felipe Montoro Jens, especialista em Projetos de Infraestrutura. No total, a obra deverá ter uma extensão de mais de 1.100 km, atravessando uma região de mata entre as cidades de Sinop, no Mato Grosso, e Miritituba, no Pará.

Essa concessão deverá ter um período de 65 anos e o ganhador do leilão será o agente privado que propor ao governo o valor de outorga mais alto, o qual começará a partir do lance mínimo de R$ 0,01. O projeto prevê que a ferrovia seja construída unicamente pela concessionária, a qual também será a responsável por implantar todo o sistema estrutural dos trens e cuidar posteriormente de sua operação

Esse projeto faz parte do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), cujo objetivo é consolidar cada vez mais o meio de transporte ferroviário como instrumento para as exportações brasileiras através do Arco Norte. Para isso, a estimativa dos investimentos necessários é de cerca de R$ 12,6 bilhões, noticia Felipe Montoro Jens.

De acordo com o portal do Programa de Parceria de Investimentos, essa construção incluirá terraplanagem, drenagem, obras complementares, compensação socioambiental, desapropriação, equipamentos ferroviários e outros mais, o que evidencia o grau de complexidade de um projeto desse porte.

Segundo os estudos da Agência Nacional de Transportes Terrestres, a remuneração para a concessionária que ganhar os direitos do projeto será resultado do transporte ferroviário. Esses documentos destacaram ainda que o risco de demanda será assumido exclusivamente pela concessionária. Considerando todas essas questões, informa Felipe Montoro Jens, a previsão do governo é de que o edital seja publicado durante o primeiro trimestre de 2018, e que o leilão seja organizado no segundo trimestre.

Já no ano de 2020, as estimativas são de que demanda total de carga movimentada nessa ferrovia ultrapasse o volume de 25 milhões de toneladas e até 2050 esse volume supere 40 milhões de toneladas ao ano.

Esse trecho de ferrovia exercerá um papel fundamental para o escoamento das produções de soja, farelo de soja e milho do Mato Grosso, reporta o especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens. Além disso, também estão previstos o transporte de açúcar, óleo de soja, etanol e derivados do petróleo por essa linha ferroviária.

Uma grande vantagem desse projeto é o fato dele ser capaz de aliviar as condições atuais de tráfego da BR-16, tendo em vista que irá diminuir progressivamente o grande fluxo de caminhões transportadores de grãos que passam nessa rodovia. Consequentemente, os custos com a conservação e a manutenção dessa estrada também serão reduzidos.

Atualmente, mais de 70% da safra de milho e soja produzida no Mato Grasso é escoada por meio dos portos de Paranaguá/PR e Santos/SP, os quais encontram-se a mais de 2.000 km de distância. Sendo assim, o corredor ferroviário da EF-170 facilitará imensamente as exportações de grãos do país, noticia Felipe Montoro Jens.

 

Torres de San Gimignano na Itália revelam disputas de poder

Inspiração para ser cenário de várias obras artísticas, San Gimignano está bem no centro da Toscana, no vale do Rio Elsa. Com muralhas que a rodeiam o local está em um topo da colina. Atualmente existem treze longas torres que sobreviveram para deixar vestígio e contar história entre os séculos 12 e 13.

As 72 torres do passado expressavam o poder econômico que as famílias de patrícios adversários, partidários de guelras e gibelinos possuíam. A construção dos edifícios não eram das mais baratas, tinham complexidade e foram erguidas com lama e madeira. O tamanho não era espaçoso, tinha apenas dois metros quadrados e com poucas aberturas, enquanto as paredes têm até dois metros de espessura, o que poderia gerar mais aquecimento durante os dias frios e um ambiente mais ventilado durante o verão.

Em outra versão, na época das invasões bárbaras por povos que tinham o objetivo de tomar os territórios fronteiriços do Império Romano, a suposta imagem do santo haveria aparecido obtendo uma forma sobre as muralhas que estavam sob a ameaça de Totila, rei dos ostrogodos.

A arqueologia afirma que houve uma ocupação pré-histórica, considerando os assentamentos importantes que são da época dos etruscos, um povo que veio depois dos romanos, mas o primeiro documento que oficializa e menciona San Gimignano é de 929, época em que Ugo di Provenza, marquês do Reino da Provença, deu a colina próxima à região ao Bispo Volterra.

Próximo a Pisa, a região esteve no seu auge durante o século 12, um dos motivos seria sua a rota. O potencial econômico da comuna estava na produção de vinho grego, açafrão, empréstimos propiciados pelo mercado financeiro que estava no seu início e o comércio de lã.

O crescimento estava a todo vapor no ano de 1199, quando a comuna se declara livre. Inicialmente era governada por cônsules e posteriormente por autoridade externa solicitada por seis meses para o cargo, que permanecia neutra nas disputas políticas entre guelras e gibelinos. A altura das torres de cada família expressava o poder e a capacidade que pretendiam demonstrar na disputa pelo território desejado, mas que permanecia conduzido de forma neutra.

 

Duas espécies de ratos no Canadá estão migrando e apresentando mutações devido às mudanças climáticas

 

Segundo um estudo da Universidade McGill, alguns ratos encontrados no Canadá estão sofrendo transformações e estão se deslocando em direção ao norte do país, devido às alterações climáticas que estão acontecendo por todo o planeta e também no país.

Essa pesquisa foi divulgada em uma revista científica chamada Evolutionary Ecology, e os pesquisadores perceberam que as temperaturas que estão ocorrendo no inverno estão mais agradáveis, gerando com isso mutações físicas em duas espécies de ratos que são encontradas em Quebec, nas últimas cinco décadas.

Virginie Millien, chefe da pesquisa, por meio de um comunicado, disse que a pesquisa também confirmou que existem provas de que as temperaturas mais altas no inverno, fazem com que algumas espécies selvagens acabem migrando para regiões que ficam mais ao norte do país.

Nos últimos dez anos, os pesquisadores estudaram os camundongos de duas espécies que são normalmente encontrados na América do Norte, em regiões localizadas mais ao leste, o camundongo-de-patas-brancas e  o rato-veadeiro.

Segundo a pesquisa, o camundongo-de-patas-brancas está migrando para o norte do país, cerca de onze quilômetros a cada ano, devido às temperaturas do inverno não estarem apresentando um frio intenso.

Nos anos 70, de dez espécies apanhadas nove eram de ratos-veadeiros, e apenas uma era de camundongo-de-patas-brancas dentro da Reserva Natural de Gault, no vale do São Lourenço, que fica a apenas quarenta quilômetros de Montreal.

Mas esse quadro se alterou quando os camundongos-de-patas-brancas cruzaram o rio São Lourenço, em direção ao norte do país.

Segundo Millien, o princípio evolutivo conta com as alterações morfológicas, mas ainda existem poucas manifestações até o momento desses acontecimentos em mamíferos. Analisando os estudos dos anos 50 em diante, foi descoberto pelos pesquisadores que a aparência do crânio, das duas espécies de ratos que foram estudadas, alterou a sua forma durante esses anos.

Essas alterações são parecidas nas duas espécies de ratos, mais são mais acentuadas nos camundongos-de-patas-brancas. Os pesquisadores também encontraram alterações nos dentes molares, já que eles modificaram a sua posição e os cientistas acreditam que seja por causa de uma dieta diferente feita pelos ratos, devido às mudanças no clima.

O que os pesquisadores ainda vão estudar é se essas mutações são genéticas ou se essas espécies, estão apresentando uma flexibilidade para se adaptar a essas alterações climáticas aceleradas.

Mas a pesquisadora declarou que as mutações estão acontecendo em dentes e ossos, que são formações que não são fáceis de se transformar.