Cientistas descobrem uma nova espécie de orangotango em Sumatra, na Indonésia

No território ao norte da Ilha de Sumatra, localizada na República da Indonésia, biólogos descobriram uma nova espécie orangotango. Mas devido ao pequeno número encontrado desses animais, ele se torna a espécie de símio mais ameaçada de extinção do mundo.

Essa descoberta foi a primeira depois de 1929, quando uma outra espécie de grandes símios, o bonobo, foi encontrada no Congo. A revista americana Current Biology publicou os estudos dos biólogos.

Michael Krutzen, pesquisador de uma Universidade da Suíça, declarou que não é sempre que se descobre uma nova espécie, principalmente de grandes símios, o que torna esta descoberta ainda mais impressionante.

Erik Meijaard, pesquisador de uma universidade da Austrália, disse que as espécies maiores de macacos são os animais mais pesquisados do planeta.

Este novo grande símio foi encontrado em florestas localizadas no ecossistema de Batang Toru, na ilha de Sumatra, sendo batizado como Tapanuli e foram encontrados cerca de oitocentos animais nessa região. Com essa descoberta, o número de espécies de orangotangos passa a ser de três. Os pesquisadores da universidade australiana em 1997, encontraram vestígios desse grupo de símios nessa região solitária na ilha de Sumatra.

Os primeiros traços das particularidades dessa nova espécie, começaram a ser verificados em um esqueleto de um macho em idade adulta, morto há quatro anos. Quando a cabeça e a arcada dentária foram estudados pelos pesquisadores, eles observaram alguns traços bem particulares em relação às outras duas espécies de orangotangos.

O primatologista Matt Nowak, que participa de um projeto que visa a preservação de animais da espécie dos orangotangos da ilha de Sumatra, disse que os pesquisadores foram surpreendidos pelas particularidades observadas na cabeça desses animais, que se mostraram diferentes dos outros grandes símios já conhecidos.

Um estudo realizado em vários orangotangos por pesquisadores suíços da Universidade de Zurique, mostrou a história da evolução desses símios, revelando a fragmentação ocorrida há alguns milhões de anos, entre os grupos desses animais que são encontrados nessas regiões.

Esses  orangotangos encontrados em Sumatra e Bornéu  se ramificaram geneticamente bem depois, há milhares de anos atrás.

Os orangotangos do ecossistema de Batang Toru, ficaram separados de outros grupos de Bornéu em um período que pode chegar em até 20.000 anos, pelo que os cientistas conseguiram verificar em seus estudos.

Os orangotangos que foram descobertos, parecem ser originários diretos dos orangotangos que foram os primeiros a emigrar da Ásia continental, sendo a linhagem mais antiga dessa espécie.