Pagamento por aproximação é lançado no Android

O Brasil é o primeiro país da América do Sul a receber a tecnologia do sistema de pagamento através de aproximação. Na Play Store, loja de vendas dos aplicativos da empresa, é possível baixar o aplicativo nos aparelhos celulares.

O usuário do aplicativo poderá realizar de forma mais rápida uma compra sem necessariamente ter o seu cartão fisicamente. A função desse recurso é promover uma venda digitalmente, para isso o usuário previamente precisa enviar os dados dos seus cartões de débito ou crédito e assim comprar apenas aproximando o celular da maquininha.

Quem é cliente do Banco do Brasil (crédito e débito), da Caixa (débito), do banco digital Neon (débito) e tem os cartões do Brasil Pré-Pagos (débito) e Porto Seguro (crédito) poderá utilizar o recurso. Por enquanto, apenas a bandeira Visa é aceita, mas futuramente o sistema irá se adaptar para a bandeira do MasterCard.

Para realizar uma transação, o celular e a maquininha devem ter NFC (Near Field Communication), através desse recurso tecnológico é possível ter uma comunicação sem fio e uma troca de informações entre os dispositivos usados para o pagamento. O sistema operacional do celular deverá estar atualizado para a versão 4.4 do Android.

No momento da utilização do cartão é gerado um número virtual criptografado e diferente do original do cartão físico. Se houver uma perda do celular, o usuário terá a possibilidade de bloquear a sua carteira de forma remota.

Os benefícios do uso desse recurso será a agilidade no momento da compra e a redução das filas. Quando uma compra for mais de R$ 49 reais será necessário o uso da senha. Em geral, as compras com esse tipo de recurso estão mais voltadas para pequenos valores em situações mais casuais.

Quem tem o Samsung Pay já conhece essa funcionalidade que está em uso no Brasil desde 2016 que também tem a função no Apple Pay. De acordo com a Kantar Worldpanel, em setembro as vendas de aparelhos com Android alcançou 92,6% das vendas de smartphones no Brasil, enquanto os dispositivos com iOS da Apple, apenas 4,7%, uma pequena parte do mercado.