Saúde e desenvolvimento das crianças podem ser afetados por estresse tóxico

No caso das crianças é preciso certo cuidado ao adotar soluções para aprender a lidar com as dificuldades da vida. Uma resposta fisiológica a uma situação adversa é o estresse, que é quando produzimos alterações químicas no nosso corpo que prejudicam o sistema imunológico, neurológico e endócrino.

Existem três tipos de respostas ao estresse, segundo indícios do Centro de Desenvolvimento da Criança da Universidade de Harvard nos Estados Unidos. Elas dependem do efeito dessa reação sobre o corpo, sendo elas positiva, tolerável e tóxica. Enquanto a positiva e a tolerável faz parte do desenvolvimento da criança, a tóxica é prejudicial à saúde delas.

Essa resposta tóxica de estresse ocorre quando a criança vivencia uma dificuldade forte, frequentes e prolongadas sem o apoio de um adulto como, por exemplo, a negligência, abuso físico e emocional, violência, drogas, elevada carga de pobreza e problemas mentais.

Um exemplo de uma mãe com depressão profunda, ela é incapaz de cuidar de seu bebê, ou pais alcoólatras e usuários de drogas, que não se dedicam aos filhos podem deixar a criança em um estado de estresse permanente, considerado pelos estudiosos como tóxico. Essas situações de estresse podem repercutir ao longo da vida dessas pessoas.

O corpo fica em alerta diante do estresse e produz adrenalina, aumento dos batimentos cardíacos e libera mais hormônios, como o cortisol. Isso acontece devido ao estado de alerta que corpo fica. No caso das crianças essa situação diminui com o consolo de um adulto, o que se não ocorrer manterá a resposta constantemente ativa, mesmo sem nenhum perigo aparente.

Esse tipo prolongamento de resposta do organismo ai estresse é tóxica devido à saturação do cérebro da criança o que atrapalha o seu desenvolvimento, em destaque os períodos mais sensíveis do seu crescimento.

Esse estresse tóxico tem como resultado a desregulagem do sistema imunológico, que aumenta o risco de infecções frequentes nas crianças, destaca o médico pediatra do Centro de Medicina Integrada da Universidade do Arizona, Hillary Franke.

Especialistas acreditam que o estresse tóxico atua no desenvolvimento de transtornos depressivos, comportamentais e de estresse pós-traumático incluindo psicoses.

Estabelecer um apoio as relações entre os adultos responsáveis pelo bem-estar da criança é prevenir e reverter danos causados pelo estresse tóxico, segundo as pesquisas realizadas até agora.