Três em cada cinco pessoas viram fumantes diários após experimentar cigarro

Experimentar um cigarro pode ser um caminho sem volta, de acordo com um estudo realizado pela Universidade Queen Mary em Londres. O estudo mostra que uma a cada cinco pessoas que provaram o cigarro se tornou fumantes diários mesmo que temporariamente.

A pesquisa contou com a colaboração de 215 mil pessoas que coletou informações de diferentes levantamentos em relação ao consumo, publicado no jornal periódico Nicotine & Tabacco Research.

Para os pesquisadores a descoberta mostra como a substância pode ser viciante e serve como incentivo na prevenção do consumo dos cigarros entre os jovens.

O professor Peter Hajek, um dos líderes do estudo afirmou que essa é a primeira vez que é documentada a capacidade de viciar dos cigarros após uma unica experiencia. Ele também destaca que sair da provação para a prática é importante, que mostra que a atividade que antes era praticada por laser agora se torna uma necessidade compulsiva. Hajek ressalta que a taxa de conversão entre quem fuma a primeira vez e quem fuma diariamente é alta, o que colabora na prevenção do experimento da substância.

Para os cientistas poderem realizar uma análise do assunto eles utilizaram os levantamentos e estatísticas do Global Health Data Exchange, onde se encontra pesquisas relacionadas à saúde em nível mundial e estudos que envolvem questões sobre o experimento de cigarro e o tabagismo.

Foi possível obter dados do Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos de oito levantamentos realizados. Os pesquisadores analisaram os dados para conseguir calcular a taxa de conversão na primeira vez que a substância foi usada e o consumo diário da substância. Os resultados indicaram que 60% dos que participaram já experimentaram o cigarro e 68% são fumantes diários.

Os autores do estudo destacaram que a pesquisa utilizou uma metodologia diferente, e existem chances dos dados da estimativa estar com margens de erro que deixaria a taxa de conversão de 60,9% para 76,9%.

Apesar dos dados apresentados serem limitados, eles continua sendo alarmantes e devem ter a atenção das autoridades para o início ao tabagismo, destaca Hajek.

No Brasil mais de 200 mil pessoas morrem todos os anos vítimas do tabagismo, além das doenças causadas pelo ato de fumar.